Hoje Eu Quero Voltar Sozinho (The Way He Looks)

“O roteiro, leve, delicado e doce, investe em pequenos, porém indispensáveis e cruciais momentos para exemplificar os diversos sentimentos de seus personagens e o quão complicado e conflituoso pode ser esse momento de autodescoberta pelo qual todos nós passamos. “

Rafael Oliveira para a página Plano Crítico

 

Esse é o longa brasileiro “Hoje Eu Quero Voltar Sozinho”, leve, delicado e doce. Eu acrescentaria singelo, simples, tocante e ainda sim real. Sim, real. Sem estereótipos, cenas clichês, o texto flui como no cotidiano. Pessoas se apaixonam, simples, e nós não podemos escolher bem por quem ou o porquê, mas nos apaixonamos. “The Way He Looks”, nome escolhido para a versão internacional do filme, mostra a história de um adolescente com deficiência visual que se apaixona por um garoto que acaba de mudar para o seu colégio. O filme já ganhou 14 prêmios nacionais e internacionais, dentre eles “Melhor Filme” no Festival Berlinale e “Melhor Filme” no prêmio do público da New Fest 2014.

Se não faz ideia do que eu estou falando, você tem duas opções: Abra outra aba e procure no Google ou vem com a gente que vamos te contar tudo tim-tim por tim-tim!

Ok, vamos lá? Primeiro vamos contar um pouquinho do filme, mas eu prometo que não vou fazer tantos spoilers assim…. Ok, eu vou, então se você não tem interesse em saber, te aconselho a ler depois de assistir…

A história começa com o Leo (Guilherme Lobo), um adolescente com deficiência visual que é superprotegido em todos os ambientes que ele vá. Ele só pode voltar da escola com a ajuda de sua melhor amiga, Giovana (Tess Amorim), e seu trajeto se limita a escola, casa e, as quartas-feiras, vai à casa da avó. Parece insano. E é. Em casa, Leo é vigiado o tempo todo por seus pais. Nesse ponto cabe aqui uma ressalva: ao contrário do que muitas pessoas podem pensar, os pais superprotegem por medo de seus filhos se machucarem (em qualquer sentido) no enfrentamento de situações corriqueiras, e não porque acham que seus filhos são incapazes ou infantis. Pais confiam em seus filhos, mas temem quem e o que estará com eles. E os pais de Leo não são diferentes, mas meu conselho, para os pais de Leo e para os pais mundo a fora: Deixem eles quebrarem as próprias caras! Você, adulto, responsável, não se machucou várias vezes? E em todas essas vezes, você não aprendeu grandes lições? Se você quer deixar seu filho crescer, dê o espaço pra isso. Fora essa sessão de terapia espontânea, voltamos à crítica do filme? Então, tá!

Leo então vivia preso àquela rotina, ia para escola, tinha suas aulas, sofria bullying por ser deficiente visual, desabafa com sua melhor amiga, voltava para casa acompanhado e passava horas no ócio. Neste momento vou me dedicar a falar um pouco sobre Giovana, a fiel amiga e…. (momento de tensão) Sim, ela é apaixonada por ele! Ela está lá, sempre com ele, levando-o para casa, abrindo o portão, fazendo os trabalhos em dupla… Até que…

Alguém bate à porta da sala de aula… Ninguém mais, ninguém menos que o elemento surpresa da trama: Gabriel (Fábio Audi). Um menino paciente, bonito, calmo, novo na cidade (o que traz um clima de mistério) e que combina perfeitamente com o estereótipo de príncipe encantado. E esse príncipe atrai até mesmo Giovana, afinal não é ela mesma quem diz que “a sala de aula é cheia de sapos”?

Tudo ia bem, Gabriel logo se tornou parte do grupo, e Leo, Gabriel e Giovana se tornam inseparáveis. Até uma aula de história grega, em que a professora pede aos alunos que estes se dividam em duplas do mesmo sexo (Ok, nesse momento, confesso que achei estranho. Nunca vi professor algum definir as duplas com esse critério), meninos vão discutir Esparta e meninas, Atenas. É Giovana, parece que alguém é o terceiro excluído…

Leo e Gabriel passam a se encontrar depois das aulas para fazer o trabalho… Então, essa era ideia dos encontros… Mas ao invés disso, eles acabam tendo as cenas mais fofas do filme, como quando vão ao cinema, ou quando Gabriel tenta ensinar Leo a dançar, ou quando eles saem escondido para ver um eclipse… Quer dizer, para Gabriel ver o eclipse. Leo não entende bem a graça do eclipse, mas o amigo faz questão de ensinar bem didaticamente usando pedras (Confesso que achei bem bonita a sintonia dos dois em cena). 

Gabriel começa a mostrar um lado bem mais divertido da vida a seus mais novos amigos, Giovana e Leo. E é entre banhos de piscina, voltas da escola, trabalhos escolares, idas ao cinema, ou fugidinhas noturnas que Gabriel desperta o interesse de Giovana, Leo e Karina (Isabela Guasco). E atraindo tantos amores, logo começam os ciúmes. Numa dessas, Giovana pára de falar com Gabriel e Leo porque eles não dão mais atenção a ela, causando, no mínimo, um climão entre o grupo.

Nesse momento ocorre também uma das coisas mais legais que o filme traz: Leo começa questionar seus limites, ou melhor, os limites que os outros impõem a ele. Quem disse que ele não pode ir a uma festa? um acampamento? Ou até mesmo fazer intercâmbio?

Calma, calma! Vamos começar com pequenos passos, Leo. Primeiro, a festa! Musiquinha, pista de dança, bebida escondida e um jogo da garrafa. Qual a chance de dar errado? Todas as chances! Giovana acaba ficando bêbada e tem uma DR (discussão de relacionamento, para os leigos) com Gabriel no banheiro, Leo é trolado pelos valentões da festa e quase beija um cachorro achando ser uma menina na sala de estar, mas Giovana chega a tempo de não deixar isso acontecer. Leo fica meio sem entender. Ele não ia beijar uma menina? Por que ela o tirou de lá? Giovana irada com a falta de confiança do amigo vai embora, e nesse momento aparece Gabriel. Leo não compreende bem a atitude dos amigos e não entende “Por que ninguém queria que ele beijasse ninguém?”. E… (Rufem os tambores) Gabriel beija Leo… E foge.

Se você leu até aqui, e se interessou, aconselho assistir ao filme, pois a história fica cada vez melhor! Mas se você não se importa com os spoilers, continue!

Algumas cenas de Leo sem seus amigos, tentando processar o ocorrido… (Nós aqui assistimos com a sensação de “E aí? Ele não vi fazer nada? Vai ficar ai sofrendo?”). Eis que o roteiro traz outra surpresa, a mãe de Leo deixa ele ir ao acampamento (o que parece razoável, afinal entre um acampamento e um intercâmbio na Califórnia, ela sabiamente escolheu o mais próximo de casa). O ônibus está para sair em direção ao acampamento e Gabriel chega atrasado e acompanhado por Karina, o que causa comentários, digamos,  duvidosos sobre eles estarem juntos.

Já no acampamento, Gabriel puxa conversa com Leo, usando daquele papo de quem tá com vergonha e ressaca moral “Ah… Não lembro de nada de ontem, estava bêbado…” acabando com as esperanças de Leo. A vida continuou, eles foram à piscina, Leo e Gabriel vão tomar banho juntos… E outra cena comprometedora/fofa. Sim, Gabriel fica excitado ao ver Leo nu, e… Corre para se cobrir e esperar “aquilo” passar.

Mais tarde, ao redor da fogueira, Gabriel deixa Leo e Giovana a sós para se entenderem, mas ao mesmo tempo causa ciúmes, é claro, pois decide matar esse tempo indo beber com Karina… E só uma coisa cura coração abandonado numa festa cheia de adolescentes: beber e ser inconsequente (Não que isso seja o certo, mas com certeza é o mais divertido a se fazer).

Outro momento de tensão e tcharam! Leo conta a Giovana que está apaixonado por Gabriel! A princípio ela parece chocada e diz que vai buscar uma bebida (Só para constar, o Leo ainda tá lá esperando essa bebida, pois ela ainda não voltou). Enfim, enquanto espera, Leo foi dar uma volta e encontra Gabriel e Karina, brincando, nus na piscina. E o que ele faz? Entra na piscina, é claro! (O que o álcool não faz com as pessoas, não é mesmo?) Mas, toda liberdade tem sua consequência, e Leo fica doente por entrar na piscina a noite. Adeus Intercâmbio!

Outra cena fofa, Giovana vai visitar o amigo doente e mostra maturidade, dizendo que os amigos formariam um casal bonitinho (Eu, pessoalmente, achava que ela ia sair batendo em todo mundo, se fechar e nunca mais falar com ninguém na vida). Por fim, ela ainda sugere a Gabriel que ele vá fazer uma visita a Leo, já que ele estaria sozinho aquele dia… Danada essa Giovana! Amiga casamenteira!

E aí vem o desenrolar da história! Não vou contar! O final é muito bom, surpreendente, sutil e muito fofo! Se você gostou até aqui, vale a pena assistir. É fofo? É! Eu recomendo? Também! Merece muitos prêmios? Todos eles! E sabe porquê?

 

 

Começa aqui os 8 motivos para você ver: Hoje Eu Quero Voltar Sozinho

  1. O filme é brasileiro. Esse por si só já seria um motivo espetacular, mas não é só isso. Ele foi um dos dois filmes brasileiros selecionados para o Festival de Berlim em 2014. O outro filme foi “Praia do Futuro” estrelado pelo Wagner Moura e causou impacto aqui no Brasil pela cena de sexo gay.
  2. Outro motivo é a divulgação do filme que foi praticamente feita pela internet, com uso do Youtube, Facebook e Twitter.
  3. O terceiro motivo é que foi o 5º filme mais visto na semana em que estreou. Lembrando que o filme passou em 33 salas de cinema e concorria com blockbusters como “Capitão América- o soldado invernal” que passava em 1107 salas. Na segunda semana, o filme brasileiro arrecadou cerca de 1 milhão de reais, e 87 mil espectadores.
  4. Arrancou críticas positivas em âmbito nacional e internacional, garantindo até que os direitos autorais fossem vendidos para uma empresa britânica que pretende relançá-lo mundialmente em novembro.
  5. A trilha sonora impecável e muito bem selecionada, Belle & Sebastian, David Bowie, Marcelo Camelo… Tem como não ser ótimo? Você encontra a Playlist toda no Youtube.
  6. É um trabalho totalmente original e que segue a mesma temática do curta “Eu Não Quero Voltar Sozinho”, ambos escritos e dirigidos por Daniel Ribeiro. O curta pode ser encontrado no Youtube, e conta com os mesmos atores em uma situação diferente.
  7. A forma de distribuição do filme. Os produtores do filme acharam que o preço de um filme pode desencorajar a compra de um DVD original e criaram uma versão de DVD Pirata Original que estava sendo vendida pela internet. O DVD original vinha em um saquinho simples, praticamente a preço de custo, mas o site de compra por internet barrou as vendas pelo nome dado ao produto “Pirata”. Então, você pode adquirir o DVD no site oficial da produtora ou em forma digital na Itunes Store.

 Eu espero que estes e tantos outros motivos neste post tenham feito você querer ver o filme. E aí, vai assistir? Já assistiu? Gostou ou não? A gente do Cult Me, Please.! quer saber! Então deixe seus comentários, recados, pensamentos e críticas aqui embaixo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s