Amanda Leigh

track by track

Quando vocês lerem o nome Mandy Moore, provavelmente vão pensar na Disney, em Candy ou em Um Amor Para Recordar. Tá, é ela mesmo, só que bem diferente desses tempos. 
Estou falando de seu último álbum, lançado em maio de 2009, ou seja, o “Cult Me, Please.!” ainda não existia, então não tenho culpa de estar comentando só agora. Até porque, só agora que eu realmente estou ouvindo álbum. Tá, eu ouvi antes, mas sabe a diferença entre ver e enxergar? É isso.

O nome do álbum, que traz seu nome de batismo só faltando o Moore, ela diz ser aleatório, mas ajuda a fugir um pouco da imagem Disney que ela possui, achava que tinha dado a PatríciadoRouge nela(mudou o nome artístico para Lissah Martins, só pra confundir o povo). Mesmo que sem querer, o nome escolhido representa a autenticidade que ela teve nesse álbum, é um álbum bem dela, ela compôs as músicas em parcerias e usou suas próprias influências sem se preocupar muito com as futuras vendas. Pra quem quiser ter uma idéia, em uma entrevista, ela citou algumas de suas influências: The Beach Boys, Paul McCartney and Wings, CSNY, entre outros que eu não consegui identificar. E descreveu o CD como throwback, ou seja, meio retrô.

Mas saindo da enrolação das reviews (até fechei as abas de reviews alheias que vocês sabem que eu estava consultando), vou tentar transmitir um pouco do que eu sinto ao ouvir essas músicas, não vou me prender a conceitos e técnicas, até porque este blog não tem a pretensão de fazer uma crítica super embasada..

Merrimack River – A primeira faixa, me transporta para uma cidadezinha no interior, cheiro de mato, ar puro, sabe aquelas fotos que o povo adora tirar com o sol atrás e só aparece a silhueta da pessoa? Meio que isso também, só que tudo em preto e branco. Foi uma das músicas que me encantou da primeira vez que ouvi, talvez a única que permanecer no meu iPobre e me fez ouvir o álbum todo de novo.

Fern Dell – Adoro esse começo, acho sensacional o “These are the thoughts that keep me up at night” e eu tenho consciência que não tem nada demais, não sei explicar, falou com a minha subjetividade. A parte instrumental dessa música é bem interessante.

I Could Break Your Heart Any Day Of The Week – É o único single do CD, e considero a música que menos está na vibe do álbum, mas ainda assim é bem legal e é o mais próximo do pop que ela chega.

Pocket Philosopher – É uma das, senão a minha preferida do álbum desde a primeira vez que ouvi. É tão cute.. Essa música me leva para uma cidade, mais especificamente cenário de um daqueles filmes com fotografia meio vintage, onde o mais importante são os personagens e a relação entre eles, aqueles que normalmente tem aquelas crianças muitos fofas e prodígiosas no bom sentido (é que eu não gosto de crianças prodígio). Tipo em “Três Vezes é Amor”, a personagem da Abigail Breslin. Ainda acrescento que se Amélie Poulain fosse um filme americano (tá, não seria Amélie Poulain, mas enfim) essa música deveria estar na trilha sonora.

Song About Home – Me leva de volta para a cidadezinha de Merrimack River, e lá eu tenho uma casinha simples, mas muito aconchegante, o meu lar; passarinhos vem me visitar. Mas eu quero conhecer outros lugares, só que eu tenho medo de ir embora, de repente eu não consigo mais voltar, ou quando eu voltar minha casinha não está mais lá. Porém, ao mesmo tempo eu sei que vou voltar pra casa e esse medo não é paralisante..viajei total..prometo ser mais normal na próxima música.

Everblue – Acho que pode ser considerada a balada do álbum. 

Merrimack River (Reprise) – Pega aquela mesma cidadezinha do começo e a leva para um passado mais distante em algum lugar no interior da Europa.

Love To Love Me Back – Senti um pouco de country nessa faixa, mas é sutil. Tem um arranjo e uma melodia tão suaves, além da voz de Mandy, tão relaxante.

Indian Summer – Começa com um piano lindo e que me faz pensar que estou no modo construção do The Sims. Também me leva pra outro lugar, ainda não identificado.

Nothing Everything – Volta à aquela cidade de Pocket Phisolopher, que desta vez está chuvosa, mas no meio da música o sol se abre. Tem uns elementos vocais bem legais..

Bug – Mais uma das que me encantaram desde o início. Não sei se é a melodia, se é a letra, acho que é tudo. Os backing vocals estão bem legais, o violão também, além do violino.

   No geral, a sensação que as músicas deixam, é daquela nostalgia, meio que uma dorzinha boa, sabe? Eu ouço com as pálpebras semi fechadas em sinal de apreciação, não de sono, mas também é uma boa pedida para tirar um cochilo na rede. Espero que minha impressões não influenciem as suas, caro leitor inexistente, gostaria de receber comentários para saber em que diferentes lugares as pessoas chegaram ao ouvir essa músicas.

Viajei demais nessa review, né? Não importa o que eu diga, já acham que eu uso dorgas anyway..

9 pensamentos sobre “Amanda Leigh

  1. Embora muitas pessoas prefiram o Wild Hope, acho que o Amanda Leigh é perfeito. Minhas faixas preferidas são ICBYHADOTW (detesto escrever o nome completo) e Love to Love Me Back. Nothing Everything me lembra a Europa Medieval, talvez seja por seu instrumental. Além de Everblue que me deixa num estado de espírito completamente leve. Não é daquelas baladas que te deixam triste, apenas te deixa pensativo, distante…
    Considero um dos melhores álbuns da Mandy, sou meio suspeito porque sou fã dela, rs.
    Mas dos 6 lançados por ela até hoje, ele se coloca em #3. Só atrás do Mandy Moore e So Real (sim, adoro a época teen dela)

  2. “Dordizinha boa”… Não é que, apesar do “inha”, isso ainda possa soar masoquista?

    Eu não gosto desse tipo de música. Acho que é por que eu não entendo nada de música. Sou péssimo. Mas também tenho outra teoria: Minha vida é uma merda. Se eu ouvir músicas que possam me deixam mais depressivos ainda, estou fucking hiper D:

    De qualquer forma, as músicas não deixam de ser bonitas, a voz dela é bem gostosa de se ouvir e os ritmos são lentos. A única que eu tinha escutado era “I Could Break Your Heart Any Day Of The Week” que escutei uma única vez no TVZ do Multi Show sem dar muita importância. Enfim, o CD num todo é ótimo, mas não gosto de me sentir depressivo. Então… =X

    Aliás, sobre lembrar dela, não penso em nenhuma das alternativas que você deu. Só penso na participação que ela fez em uns episódios da segunda temporada de Entourage D: Se não fosse por isso, nunca teria ouvido/lido algo sobre ela.

    Enfim, ótimo post. Continue assim.

  3. Mari,
    adorei esse seu post. Com certeza é uma das melhores interpretações/descrições do Amanda Leigh que eu ouvi [ou nesse caso, li].
    O album todo é bem diferente dos que eu tenho em casa ou costumo ouvir e confesso que de primeira vista, aliás, “escutada” não gostei muito. Mas com o tempo meu ouvido foi se acostumando ao que realmente é bom, e posso dizer que agora meu gosto musical é mais requintado, graças a esse último album da Mandy, onde se nota o avanço do talento musical da cantora.
    Não sei exatamente a quais lugares ou cidadezinhas essas músicas me levam, mas é alguma mistura de uma rua calminha, cheia de pombos procurando algo para bicar [?].. parece uma espécie de parque urbano. As vezes acho que me encontro em cima de uma ponte, ou até na beira de um lago, apreciando a paisagem.
    Bom.. o que eu sei é que esse álbum me deixa bem relaxada. Consigo apreciar a música na maior calma possível. 🙂

    Parabéns pelo blog 😉
    beijos,
    Damaris.

  4. é uma pena que não tenha uma divulgação BOA, e soh em algumas lojas você o encontra, mais é ótimo, é gostoso de ouvir, tranquilo… em fim só elogios para essa menina que agora sim virou mulher.

  5. Oiee, adorei conhecer seu blog. Cheio do séries, filmes, cantores que eu gosto. Vou ouvir alguma música da Mandy Moore, acho q vou gostar (seu perfil é parecido com o meu)!!! Adorei ler o trechinho do meu autor favorito, Markus Zusak.
    Bjus
    Vou segui-la!

  6. Eu gosto das músicas dela…..só que enjôo da voz dla depois de um tempo….

    Não ouvi esse cd pq já estou em um momento deprê/nostálgico da minha vida, não quero piorar a sensação! shuahsuah

    Mas sem dúvida…eu gosto desse tipo de música!
    No momento estou ouvindo “Good Charlotte – Cardiology”…..a musiquinha mais animada do álbum novo é o single…porém gostei MUITO das outras… haushauhua quando der, dê sua opinião about o novo álbum!

    Beijos amigaa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s